Notícias

TECNOLOGIA - DETRANs investem em biometria para evitar fraudes

09/04/2018

A autenticação biométrica está presente em várias instâncias da vida do brasileiro. Tanto para confirmar seu voto nas eleições, como para sacar dinheiro nos caixas eletrônicos dos principais bancos, participar de testes como o Enem e, inclusive, no processo de aprender a dirigir e conquistar a carteira de habilitação. Os departamentos de trânsito de vários estados já adotaram a identificação biométrica há alguns anos para evitar fraudes. Entretanto, nem todos sensores são capazes de impedir o uso de dedos falsos – permitindo que terceiros se passem pelo aluno de autoescola na hora de confirmar presença em testes, bem como nas aulas exigidas por lei.

Com o sensor Lumidigm de imagem multiespectral desenvolvido pela HID Biometrics, os Detrans têm oportunidade de recomendar às autoescolas uma tecnologia capaz de evitar novas fraudes. De acordo com Juan Carlos Tejedor, diretor comercial da HID Biometrics para a América Latina – empresa que desenvolveu e patenteou um sensor de qualidade superior – a tecnologia de imagem multiespectral permite identificar não apenas a impressão digital externa, como o padrão de uma subcamada da pele, irrigada pela corrente sanguínea. Isso elimina, por exemplo, o uso de crueldade ou ainda de dedos falsos, confeccionados com silicone ou qualquer outro material. Além disso, esse tipo de sensor não apresenta falhas diante de dedos sujos, gordurosos, machucados ou molhados – identificando rapidamente o usuário cadastrado.

“Até agora, somente a tecnologia de imagem multiespectral classifica corretamente quase 100% das pessoas, impedindo a grande maioria das ações fraudulentas nesse sentido. Vale dizer que não são poucas as tentativas mal-intencionadas que fazem uso de impressões digitais com látex transparente, silicone, gelatina, goma, dedos de borracha etc. Enfim, são inúmeras as tentativas de fraudar a impressão digital de uma pessoa para uso indevido e são muitos, também, os métodos de identificação baseados em imagens de baixa qualidade. Sendo assim, a superioridade da imagem multiespectral tem se mostrado fundamental para o aumento de segurança no processo de emissão da carteira de motorista”, diz Tejedor.

Otávio Silva, diretor da Alphatech – representante da HID Biometrics no Brasil – diz que “o grande trunfo desses órgãos públicos é compreender que há muitos sensores biométricos no mercado, mas que a grande maioria não impede fraudes, sendo incapazes de detectar dedos falsos. Alguns Detrans já comprovaram que a tecnologia de imagem multiespectral é a única, até o momento, que tem condições reais de barrar tentativas de fraude. Por determinação, os dados biométricos cadastrados de cada aluno de autoescola devem ser armazenados por um período de cinco anos. Isso inclui comprovação da realização de testes, bem como o registro de períodos e horários de aulas diurnas, noturnas e em simuladores”.

Rua José Comparato, 85 ‐ Vila Mariana ‐ 01546-070 ‐ São Paulo ‐ SP

(55-11) 2894.9976

contato@presspagina.com.br