Notícias

SAÚDE - Cansaço também afeta saúde ocular, diz especialista

25/09/2019

A partir dos 40 anos, a vista começa a dar sinais de cansaço – mesmo para aqueles que nunca precisaram de óculos para enxergar bem. Trata-se de um problema de visão chamado presbiopia. Quando menos se espera, já não se consegue mais ler as mensagens no celular, ler jornal, enxergar com clareza os ponteiros do relógio, nem conferir os comprovantes de compra. Fica cada vez mais difícil, também, usar o computador e ver filmes legendados. De repente, a pessoa percebe que não enxerga bem nem de perto nem de meio-perto. Segundo Renato Neves, médico oftalmologista à frente do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo, não é só o corpo que dá sinais de cansaço com o passar dos anos. Também o cristalino vai perdendo elasticidade, e o cansaço visual vai tomando conta.  Por isso é tão comum receitar óculos multifocais para ler e desempenhar tarefas rotineiras para quem está na “meia-idade”. 

“A cirurgia a laser ainda é um dos recursos mais bem-sucedidos para quem quer pôr fim ao interminável troca-troca de óculos imposto pela presbiopia – permitindo  ao paciente ir ao cinema e preencher um cheque sem precisar de óculos, a não ser os de sol, que ele deve usar até nos dias nublados para prevenir a agressão dos raios UV. O implante de lentes intraoculares para corrigir vista cansada leva menos de meia hora. Uma lente fina e circular é implantada no lugar do cristalino. Além de corrigir vista cansada, a lente multifocal e a lente acomodativa corrigem problemas para enxergar de perto, média distância e de longe. Já para quem sofre de astigmatismo, as lentes tóricas são mais indicadas”, explica o médico.

Neves afirma que ainda existe a possibilidade de associar procedimentos refrativos, como Excimer Laser ou incisões relaxantes limbares, ao implante de lentes intraoculares. Para o paciente, trata-se de um grande ganho em qualidade de vida, já que ele estará apto a desempenhar qualquer atividade sem as restrições causadas pela falta de visão. Entre seis e doze semanas após a cirurgia no segundo olho ocorre a adaptação total do cérebro e a pessoa pode desfrutar dos benefícios de enxergar bem novamente.

Fonte: Prof. Dr. Renato Augusto Neves, cirurgião-oftalmologista com mais de 60 mil cirurgias realizadas, professor e doutor em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), pós-doutorado na Universidade de Harvard, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos (SP) e autor do livro “Seus Olhos”. (www.eyecare.com.br)

 

 

Rua José Comparato, 85 ‐ Vila Mariana ‐ 01546-070 ‐ São Paulo ‐ SP

(55-11) 2894.9976

contato@presspagina.com.br