Notícias

Quem dorme pouco está mais sujeito a doenças e acidentes

24/04/2007

Há dez anos, as crianças costumavam dormir 12 horas por noite e os adultos, oito. A falta de sono, que afeta uma parcela considerável da população adulta, é responsável por essa geração de pessoas irritadiças e com visíveis problemas de memória.

“A privação crônica do sono pode ter conseqüências graves. É comum afetar o sistema imunológico, descompensar hormônios, aumentar a pressão sangüínea e o risco de desenvolver enxaquecas. Dores nas costas e no estômago também são queixas freqüentes de quem não dorme o necessário, além dos estragos emocionais”, diz o professor Luiz Gonzaga Leite, chefe do setor de psicologia do Hospital Santa Paula.

Na contramão dos fatos, Leite diz que dormir bem garante mais defesa ao organismo, prevenindo vários tipos de dores e infecções. “Percebemos que aqueles que dormem menos de seis horas acabam sentindo, com o tempo, os malefícios desse hábito, que podendo inclusive aumentar as chances de desenvolver câncer”.

Segundo a National Sleep Foundation, nos Estados Unidos, a falta de sono adequado é faz com que mais de um terço dos americanos adultos estejam sofrendo de doenças que poderiam ser evitadas. “Em nosso país não é muito diferente. A dupla jornada feminina de trabalho, por exemplo, costuma tirar o sono de muitas mulheres. São comuns aqueles casos em que a mãe está atrasada para levar o filho à escola, mas não sabe onde deixou a chave do carro. Pior do que isso, ainda, são os casos em que os próprios filhos são esquecidos”, diz o psicólogo.

Para o especialista, a falta de sono se deve menos à ingestão de medicamentos ou doenças e mais a hábitos que precisam ser abandonados. “Casos mais graves podem ser tratados com psicoterapia, mas algumas mudanças simples podem restaurar o sono e a saúde. Quem quer passar a dormir corretamente, pode seguir algumas dicas:
1. Antes de ir para a cama, escreva tudo o que precisa fazer de importante no dia seguinte. Assim você evita perder seu precioso tempo na cama elencando as atividades que terá de fazer depois.
2. Delegue tarefas. Seu marido, esposa ou funcionário pode não fazer tudo tão bem quanto você, mas respire fundo e agradeça a ajuda deles.
3. Acostume-se a pagar suas contas pela Internet. É mais prático e você pode agendar pagamentos sem precisar se preocupar com a correria e as filas dos bancos.
4. Tire a TV do quarto! Essa é uma tentação que tira o sono de qualquer um.
5. Evite ingerir café, chá mate, refrigerantes e bebidas alcoólicas à noite. Prefira chá de erva cidreira ou hortelã.

Fonte: Prof. Luiz Gonzaga Leite, chefe do setor de psicologia do Hospital Santa Paula

Rua Lord Cockrane, 255 conj.2 ‐ Ipiranga ‐ 04213-000 ‐ São Paulo ‐ SP

Rua Afonso Celso, G1B ‐ Porta do Sol ‐ 18120-000 ‐ Mairinque ‐ SP

(55-11) 98547-0170

heloisa.paiva@presspagina.com.br